Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Solução definitiva para seca em Itapetim, Brejinho e São José, projeto de barragem está engavetado no Dnocs, reclama prefeito

Publicado em Notícias por em 13 de fevereiro de 2015

Entrevista Arquimedes - Itapetim-PE - Euflavio Nunes - Portal Mais Itapetim (05)Um conversa com o prefeito de Itapetim Arquimedes Machado no programa Manhã Total (Rádio Pajeú) deu uma dimensão do tamanho do problema que o município enrenta em virtude da estiagem. “É a pior situação que tem na região. Itapetim há dois anos está sem água na torneira. Na zona rural está da mesma forma. O pior, estamos com pouco apoio por parte do Governo Federal. O do Estado tem  nos ajudado com alguns pedidos de poços e sistemas de abastecimento”, atesta.

A cidade, segundo o prefeito, tem o apoio de poucos carros pipa do exercito. “São dois anos de abandono. Temos a Adutora do Pajeú, mas o Alto Pajeú ainda não foi contemplado. Se quisessem, já estaria pronta”. Arquimedes afirmou que vem tentando perfurar mais poços com o governo do Estado. “Ainda temos dois carros pipa rodando, mais um carro do Ipa, os do exército… Na zona urbana restauramos chafarizes. Há poço com 200 litros por hora, baixíssima vazão, mas  temos que instalar porque a população tá precisando”.

População teve que se acostumar com longas filas por um balde d'água

População teve que se acostumar com longas filas por um balde d’água

Como solução imediata, o gestor afirmou que vai perfurar poços de 5 a 10 mil litros em uma região tida como boa de água e fazer um grande reservatório para os pipeiros. Isso porque a captação em São José do Egito está com dias contados, pela situação da Barragem do Rosário em Iguaraci, que abastece o sistema adutor.

Arquimedes lembrou que está engavetado no Dnocs um projeto que pode ser a redenção de cidades como Itapetim, Brejinho e São José do Egito:  o da Barragem de São Pedro, com previsão de 36 milhões de metros cúbicos. “Pelo projeto, ficaria na divisa entre Itapetim e São José do Egito aproveitando o leito do Rio Pajeú. Mas há pelo menos  vinte anos não sai do papel”, lamenta.

A crise hídrica segundo ele afeta o comércio local. “É aumento do combustível, seca, economia em crise, um prejuízo enorme. A condição nossa é pouca. A água de um carro pipa está sendo comercializada por até R$ 200. Tem gente deixando de fazer feira pra comprar água”.

Deixar um Comentário