Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Pesquisa Mauricio de Nassau: Paulo Câmara tem 13 pontos a frente de Armando

Publicado em Notícias por em 2 de outubro de 2014

paulo-e-armando-580

A apenas três dias do dia D, a última consulta eleitoral feita pelo Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau (IPMN) mostra o candidato a governador pela Frente Popular de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), com 44% das intenções de voto, treze pontos percentuais à frente do seu principal adversário, Armando Monteiro (PTB), líder da coligação Pernambuco Vai Mais Longe, que aparece com 31% da preferência do eleitorado. Encomendada pelo Portal Leia Já e publicada em parceria com o Jornal do Commercio, a pesquisa foi realizada nos dias 29 e 30 de setembro. Os demais candidatos majoritários não pontuaram.

De acordo com o professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), o cientista político Adriano Oliveira, um dos coordenadores do levantamento, o quadro apontado nesta última pesquisa consolida neste momento o favoritismo do candidato socialista, afilhado político do ex-governador Eduardo Campos, morto no dia 13 de agosto. “O que pautou a essência dessa eleição foi o conceito dos pernambucanos de reconhecerem que Pernambuco mudou nos últimos anos, identificando como responsável Eduardo Campos e identificando em seguida Paulo Câmara como a pessoa capaz de continuar mudando. É o reconhecimento do legado”, explica.

Ele não é da tese que a comoção puxou o candidato Paulo Câmara, após a tragédia e o uso da emoção nessa reta final. “Paulo era desconhecido do eleitorado na primeira pesquisa, onde aparecia com 10%, antes da morte de Eduardo. Mas já naquele momento, os entrevistados já reconheciam a boa gestão de Eduardo. O efeito após a tragédia foi apenas acelerar o processo de conhecimento de Paulo como o candidato do ex-governador”, ponta. Na última pesquisa, divulgada no dia 25 de setembro, Paulo já aparecia na frente, com 39% das intenções de voto, enquanto Armando pontuava 33%.

Paulo Câmara ganha do adversário nas regiões de peso eleitoral de Pernambuco, como o Recife, Região Metropolitana, Zona da Mata e Agreste. Armando Monteiro, por sua vez, mantém a vantagem no Sertão (53% a 30%) e região do São Francisco (51% a 27%). “O erro de Armando foi não reconhecer a força do eduadismo. Armando pensou que poderia fazer uma campanha sem reconhecer esse peso e os méritos da gestão de Eduardo Campos”, avalia Adriano.  As informações são do JC Online.

Deixar um Comentário