Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Coluna do Domingão

Publicado em Notícias por em 1 de março de 2020

Afogados aproveitou a chance que tantos perderam

Afogados da Ingazeira ocupou essa semana um espaço que certamente caberia em outros pólos. Isso porque só o futebol e as espetaculares circunstâncias do que aconteceu no jogo com o Atlético Mineiro tem o poder de tamanha exposição para uma cidade como Afogados. Afora isso, só uma grande tragédia ou uma grande história poderiam causar efeito parecido, jamais igual.

Nossa Yane Marques com sua bravura sertaneja também foi longe e levou Afogados além fronteira, com grande destaque nacional por sua história. Mas o que aconteceu da noite daquela quarta, nossos olhos certamente não verão mais. A hastag #Afogados ficou em segundo lugar nos Trending Topics, os assuntos mais comentados do Twitter.

O jornalista Flávio Gomes, do Fox Sports, chegou a classificar a conquista como “o maior feito mundial do esporte até agora em 2020”. Essa partida para atleticanos vai ser lembrada nos próximos 10, 20, 100 anos. E fica nos anais dos jogos mais incríveis da história. Também porque nem mesmo um renomado roteirista com a liberdade da caneta e papel escreveria uma história tão espetacular do 2×2 aos pênaltes.

No mais, o registro de que o município soube aproveitar um vão criado pela falta de cuidado com o esporte em outras cidades. Vamos a algumas que poderiam, mas não trataram por motivos diversos do futebol como deveriam:  em Arcoverde, o Flamengo já esteve na elite estadual. No final dos anos 80, enfrentou o Sport de igual para igual no Souto Maior, hoje Áureo Bradley, lotado. Marquinhos, o atacante, chegou a ser contratado pela equipe rubro negra da Ilha.

Os anos se seguiram, estádio e projeto esportivo foram abandonados. A gestão Madalena Brito nunca se preocupou com a praça esportiva. Os dirigentes também ajudaram a jogar tudo pra baixo e o clube hoje, capenga.

Em Petrolina, a cartolagem desmantelada, como no caso do time dirigido por um quarentão que se escalava pra jogar e a falta de apoio ao esporte também evitam que a cidade se destaque no futebol. O Petrolina, único na Série A, cambaleia. O estádio Paulo Coelho é terrível.

E o que não falar de Serra Talhada? O Serrano chegou a disputar título de turno do Pernambucano no início dos anos 2000. O Manta, hoje sucesso no Afogados já treinou a equipe. Um racha no comando criou a dissidência que gerou o Serra Talhada.  Zé Raimundo até tentou mas o sucesso nunca mais foi o mesmo. A gestão Duque e o secretário Gin Oliveira, mais o vereador André Maio, que cuidou desastrosamente do Serrano, também são alvos criticados pela situação do Pereirão.

Até o Salgueiro, que chegou a receber um Flamengo e Internacional no Cornélio de Barros – sem passar por uma grande camisa como o Afogados – parece que abandonou a velha boa fase. Brincam na cidade que a saída de Clebel Cordeiro da Presidência do clube para ser prefeito derrubou numa tacada os dois, time e cidade.

Assim, aos que se engajaram desde a fundação do Afogados, a partir de Ênio Amorim, presidente fundador, João Nogueira, atual, Diretoria, o prefeito José Patriota, os vários patrocinadores que ganharam muito com a exposição do clube, imprensa esportiva e torcedores, a certeza de que já valeu a pena, aconteça o que acontecer daqui pra frente. O futebol levou Afogados ao topo do mundo!

PT busca apoio de CV em Afogados

A Executiva do PT de Afogados da Ingazeira se reuniu com o Deputado Federal Carlos Veras na casa da Presidente Mônica Souto. Veras prometeu apoiar o partido no rumo do seu fortalecimento. O PT aparentemente perdeu terreno no desejo de compor uma chapa majoritária na Frente Popular e não tem forças para candidatura própria.

País da criança 

A classificação do Afogados FC na Copa do Brasil deflagrou revolta de desportistas de Serra Talhada. Eles não entendem como uma cidade como a Capital do Xaxado não conseguiu liderar um projeto parecido. De quem é a culpa?

Projeto amofinou...

De heróis da resistência e projetos sólidos para candidaturas “em defesa das famílias, da moral, dos bons costumes e contra o atual modelo político”, os conservadores do PSL podem virar reféns de projetos que condenavam. Em Serra Talhada, Eliane Oliveira já iniciou conversas com Sebastião Oliveira, abrindo mão da candidatura. Em Afogados, Toninho Valadares apoia o pai, Totonho. Nas outras cidades, não tem carne política pra encher um pastel. É um vereador aqui, outro ali, e olhe lá…

O que quer Paulo em Tabira

O governador Paulo Câmara até aceita um petista cabeça de chapa em Tabira, mas quer que o vice seja socialista. O preferido é Zé de Bira, que se não tivesse corrido pra debaixo da asa da Casa Civil e continuasse o discurso seria nome natural para cabeça. Mano, que ainda se posiciona como se tivesse o peso de 30 anos atrás, quer a filha, Nelly, na chapa. E Flávio Marques, tal qual discurso de Tiririca, “como tá não fica”: avalia ir pro PT.

Trator

Humberto Costa, dizem aliados, estaria maquinando por trás do pano para levar o PT ao grupo de Carlos Evandro. Como está no PSB, poderia montar uma chapa com o PT na vice. O nome seria o de Sinézio Rodrigues, quer até agora não engoliu o drible de Luciano para emplacar Márcia Conrado na legenda. Se fato, é uma operação complexa e difícil de engolir. Como abrir mão da cabeça com chances e compor com a vice? Nem “Trator” explicaria…

Tão no direito

O Prefeito José Patriota foi incrivelmente moderado ao avaliar os blocos carnapolíticos desse ano. Disse que o ex-prefeito Totonho está no papel dele ao turbinar o Tô na Folia e que ele tem direito de pleitear a disputa. Na mesma linha, elogiou Sandrinho com o seu Bora Pra Frente, também dizendo que o jovem vice pode encabeçar o projeto. Guardou mistério sobre quando deflagra a discussão para escolha. Depois que previu a classificação do Afogados sobre o Atlético, ficou a certeza: de cozinhar galo, ele entende…

Está em Isaías, 10, 5.100

Em Garanhuns, o prefeito Isaías Régis (PTB) criou dez cargos de “Assessores especiais”, com a Lei Municipal n° 4.547/2019. O salário,  R$ 5.100,00 pra cada um. A única função descrita na lei: “articulação política”, sem, todavia, estarem definidas legalmente as atribuições do cargo. Em suma, o MP no município quer saber quais são as funções reais que cada um tem, expediente, local de trabalho, ou explicação que faça jus a R$ 61 mil por ano por cabeça. Na resposta, não vale escrever “pra babar o prefeito”.

Frase da semana: “Para o Atlético-MG era mais um jogo, para nós é um prato de comida”. De Eduardo Erê, para justificar a vontade no jogo histórico da Copa do Brasil. O Afogados venceu nos pênaltes, 7×6, depois de empate em 2×2.

Deixar um Comentário