Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

O blog e a história: comunidades sofrem há anos em área da Barragem de Ingazeira

Publicado em Notícias por em 25 de abril de 2021

www.afogadosonline.com.br

Em 30 de abril de 2014

O repórter Celso Brandão, da Rádio Pajeú, foi à área onde será construída pelo Dnocs a Barragem da Ingazeira, ou de Cachoeirinha,  no limite dos municípios de Ingazeira e Tuparetama.

A realidade que ele constatou, registrada também pelo Portal Pajeú Radioweb e pelo Afogados On Line é de total descaso, com moradores ilhados, água invadindo casas, problemas com implosão de rochas para dar continuidade às obras e perda de lavouras.

Com as últimas chuvas que caíram, a água represou e invadiu várias propriedades e estradas. Tudo porque o processo de desapropriação foi mal conduzido. As famílias não foram retiradas antes do início das obras.

“Somos como se a gente fosse escravo do tempo de hoje. Na hora de explodir as pedras, mandam a gente pra fora de casa. Quem plantou uma coisinha perdeu”, relata o senhor José Rafael de Oliveira, um dos prejudicados com a construção da barragem.

Segundo José Rafael, são 36 famílias que estão vivendo esse drama. “A gente se animava com a chuva, mas agora tem é medo dela porque invade as casas”, diz, com medo de uma tragédia maior, com as águas invadindo as casas.

A água também invadiu uma das estradas que dá acesso ao município da Ingazeira, prejudicando vários moradores que ficam do outro lado bem como alunos que há dois dias não assistem aulas. O veículo que faz o transporte não consegue mais seguir de um lado para o outro.

Procurado pela Rádio Pajeú,  o Presidente da Fetape Doriel Barros disse que não se pronunciaria. Afirmou que há uma reunião com o Dnocs agendada para a próxima semana para discutir a realidade da comunidade.

www.afogadosonline.com.br

Sobre Fetape e CUT, recai a cobrança da comunidade para que realize ato como o que paralisou a PE 320 a poucos dias por problema similar na comunidade de Santa Rosa, município de Carnaíba, onde foi instalada uma fábrica de cimento antes de desapropriada a comunidade.

Segundo o Padre Luis Marques Ferreira, a Igreja tem acompanhado a população nos últimos meses de construção indo toda semana lá. “Foram feitas várias reuniões. Foi feita uma comissão com CUT, Fetape e Igreja para a questão do pagamento das indenizações. A burocracia dessa liberação é terrível”.

O padre disse que de fato pode haver morosidade das organizações ligadas ao governo Federal em cobrar certamente para poupar. “Mas se o Governo quisesse ser poupado já teria resolvido. Falta vontade política”. O padre é contra a paralisação das obras. Defende um ato puxado pelas organizações para fazer pressão sobre o Ministério da Integração Nacional e Governo Federal.

Ouça a reportagem de Celso Brandão:

Deixar um Comentário