Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Coluna do Domingão

Publicado em Notícias por em 10 de abril de 2022

A eleição do fim do mundo

O lançamento da mostra Rádio em Movimento e das comemorações dos 60 anos da ABERT, no Rio de Janeiro, teve um importante painel sobre cenários e tendências para as eleições 2022, apresentado pelo sócio da Patri Políticas Públicas, Rui Nogueira.

Com escritórios nas principais praças do país, a Patri é especializada em consultorias sobre tendências e cenários para grandes empresas do país. Rui é jornalista, Diretor Sênior da empresa, formado em jornalismo pela UFRJ. Gerencia a análise de cenário político, tendo ainda passado com destaque por redações de jornais como Estado de São Paulo e Folha de São Paulo em Brasília. Conhecer as perspectivas do Brasil até as eleições é importante para a radiodifusão, assim como para vários segmentos da economia.

O cenário pintado por Nogueira mostra o que pode ser definido como “a eleição do fim do mundo”. Isso porque indica a tendência de polarização de uma eleição histórica entre Lula e Bolsonaro, petismo contra bolsonarismo. E divide a eleição em dois atos, com duas eleições que podem ser totalmente diferentes, a do primeiro e a do segundo turno. Assim como já sinalizam as últimas pesquisas, há um quê de polarização e tudo pode acontecer.

Também foram destacadas as vantagens e limites das candidaturas de Lula e Jair Bolsonaro. O presidente tem a força da máquina a seu lado. Contra ele o momento da economia e a alta rejeição aferida nas pesquisas. Já o ex-presidente tem um capital eleitoral que já o garante no segundo turno. Mas há outros indicativos que provam, pode ter chegado ao teto. E o segundo turno será uma eleição nova, totalmente diferente do primeiro. E um dado indica que o antipetismo é ligeiramente maior que o lulismo.

Outras certezas colocadas na análise. A terceira via terá muitas dificuldades de furar a bolha da polarização. Sérgio Moro já é tido como um pato morto, diante da falta de estrutura partidária e apoio. João Dória também não deve ir muito longe, sem unanimidade sequer em seu partido, o PSDB. Simone Tebet e Ciro Gomes não miram o Lula. Tentam minar Bolsonaro para enfrentar o petista no segundo turno.

Para quem reclama desse ciclo de Bolsonaro, uma vitória do presidente poderá pintar um governo ainda mais complexo. Isso porque, diz a análise do consultor, ele não precisará fazer negociação ou uma grande coalisão política, tendo sido reeleito. Um sinal é a insistência para emplacar o militar Braga Neto na vice, afastando a possibilidade de um nome do Centrão. O único mote de sua campanha será o antipetismo. E só.

Outro cenário pintado e muito complexo é o de 2023. Ele chega a dizer que 2023 será um “ano infernal”, porque diante do desequilíbrio fiscal, o Auxílio Brasil só tendo dinheiro até dezembro, inflação galopante e outros fatores econômicos, quem assumir não terá outra opção a não ser promover uma medida tributária radical predatória. Temas como a volta da CPMF e tributação de dividendos voltarão à pauta. Vai ser um ano ainda mais desafiador que 2022. Esse é um dos problemas desse processo. Presidenciáveis tem falado á nação como se os problemas do país fossem resolvidos com o toque de uma varinha de condão. Mas o buraco é mais embaixo.

Voltando à polarização, de fato, as pesquisas parecem indicar isso. Em 24 de março, conforme levantamento do colunista da Veja, Matheus Leitão, o Datafolha mostrou Lula com 43% das intenções de voto em um primeiro turno contra 26% de Bolsonaro. No levantamento anterior do Datafolha, Lula tinha 48% dos votos, ou seja, caiu. Bolsonaro ganhou quadro pontos.

Em 6 abril o Ipespe mostrou Lula com 44% dos votos e Bolsonaro com 30% no primeiro turno. O levantamento anterior desse mesmo Instituto, divulgado em 25 de março, mostrava Lula com os mesmos 44% e Bolsonaro com 26%. Também nesse caso, o presidente ganhou quatro pontos.

No mesmo dia, pesquisa do Instituto Gerp mostrou um cenário ainda mais acirrado. Lula teria 37% dos votos contra 35% de Bolsonaro no primeiro turno. Um empate técnico preocupante para os petistas. O levantamento anterior do Gerp, divulgado em março, mostra Lula com 38% dos votos e Bolsonaro com 31%. Ou seja, o ex-presidente perde um ponto. Bolsonaro ganha quatro.

E dia 7 a pesquisa Genial/Quaest mostrou Lula com 45% dos votos e Bolsonaro com 31%. Em março, no levantamento anterior, Lula tinha 46% e Bolsonaro tinha 26% no primeiro turno. Ou seja, o petista caiu e o presidente subiu cinco pontos, uma evolução ainda maior do que nas três pesquisas apontadas acima. Resumindo, vem aí a eleição do fim do mundo.

Segundo

Dos 12 cenários eleitorais testados pelas pesquisas de intenção de voto publicadas ao longo desta semana, 11 apontam que a disputa pela Presidência da República avança para o segundo turno com Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL). Em apenas uma das simulações, feita pelo Quaest, Lula vence no primeiro turno.

Buraqueira

Alguém precisa tirar Luiz Castro do DER da cadeira. A PE 320, no trecho entre Tabira e Afogados da Ingazeira tem nada mais nada menos que cerca de 90 buracos entre pequenos, médios e crateras. A situação do trecho é trágica, com vários relatos de prejuízos. Sem falar no mato tomando acostamento e pista. Novas rodovias são importantes, mas a conservação das que estão aí, fundamental.

Polêmica 1

O caso de violência entre alunos em uma competição dos Jogos Escolares na fase municipal será tema do Debate das Dez desta segunda, na Rádio Pajeú. Diretores de escolas e Gerência Regional de Educação discutem com a sociedade como cada um pode fazer para evitar que outros casos dessa natureza sejam registrados. Está provada a necessidade de maior integração entre escola e família.

Polêmica 2

Mães de crianças que tomaram a dose errada da vacina contra Covid-19 em 5 de abril também estarão no programa. Elas solicitaram ser ouvidas depois da nota da Secretaria de Saúde à imprensa e da entrevista do Secretário Arthur Amorim ao programa Rádio Vivo, da Rádio Pajeú.  Foram 42 crianças das escolas Monteiro Lobato e Padre Carlos Cottart. Outra informação é que a profissional que aplicou as doses, conhecida como Audenice do Mandacaru, falou pela primeira vez do episódio em uma rede social. O blog publica ainda hoje.

Test drive para 24

O fato político da semana foi a saída do ex-prefeito Luciano Duque do PT para disputar mandato pelo solidariedade. O mais interessante vai ser medir a votação de Danilo Cabral, que deve ser apoiado por Márcia Conrado, e Marília Arraes, apoiada por Duque, em Serra Talhada. Nos bastidores, a movimentação e o resultado são tidos como importantes para o jogo de cartas de outra eleição, a municipal de 2024. Até agora, Duque tem defendido o direito da gestora disputar a reeleição.

Trinca?

Perguntado sobre a possibilidade de sucesso dos três candidatos do Pajeú à ALEPE em entrevista à Rádio Pajeú, José Patriota brincou. “Rapaz, eu sei que eu chego. Não sei os outros dois”, referindo-se a Paulo Jucá (São José do Egito e Luciano Duque (Serra Talhada). Mas antes que gerasse manchete pra intriga, emendou: “podem chegar também, é um prazer grande. São boas pessoas. Me dou muito bem”, concluiu.

Frase da semana: “Essa questão já foi superada”.

De Danilo Cabral, em entrevista à Rádio Pajeú, sobre o seu voto pelo impeachment de Dilma Roussef. Novamente aliado de Lula e do PT, disse que não adiantará explorar o tema em campanha.

“Carlos Siqueira já reconheceu que houve um erro histórico na votação daquele processo”.

Deixar um Comentário