Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Para sair da solidão, em Solidão é amar e procriar

Publicado em Notícias por em 10 de setembro de 2014

por Magno Martins – Blog do Magno

Localizada a 411 km do Recife, no sopé de uma serra com uma gruta com a imagem de Nossa Senhora de Lourdes, palco de romarias, Solidão tem apenas 5.934 moradores, mas uma tradição de uma gente que adora povoar o mundo. Na passagem pela cidade, domingo passado, conheci alguns personagens que deram uma grande contribuição para aumentar a população.

10393753_722534764485762_1720893214279310556_n

“Seu” Elói dos Santos, 82 nos, é um deles. Com quatro mulheres, mandou ao mundo 26 filhos e disse que se tivesse uma condição financeira melhor ainda tinha disposição de aumentar a prole. “A melhor coisa do mundo é perpetuar a espécie, fiz mais de dois times de futebol e ainda estou achando pouco”, contou, dando risadas.

10516835_722534771152428_12802244806384305_n

Em Solidão, o “velho” namorador só perde para “seu” Francisco, o Chico, 86 anos, encontrado na escadaria que dá acesso à gruta com a imagem da santa, que ali foi colocada há muitos anos após começar a minar por entre as pedras uma água límpida, que foi usada por bastante tempo tida como milagrosa.

A partir disso, começaram a surgir as romarias e até hoje são pagas bastantes promessas à Nossa Senhora de Lourdes pelos romeiros, por graças alcançadas. Chico diz que alcançou a graça de botar no mundo 30 filhos. Com quantas mulheres? Brincando, diz que perdeu as contas, mas acredita terem sido cinco.

Solidão está um pouco acima da média do Sertão na procriação, em razão da falta de televisão e entretenimento nos tempos passados. Por certo, a diversão dos casais era namorar e contribuir para o povoamento da espécie, como Elói e Chico atestam, dando aos moradores da cidade um perfil diferenciado.

10590697_722534767819095_7354280552753703973_n

Solidão vive do turismo religioso, atraindo romeiros de várias partes do País. Depois de pagar promessas, eles assistem missas na subida da serra onde está a imagem de Nossa Senhora de Lourdes. Ali, devido ao sol causticante, o padre Jorge incluiu à sua indumentária o tradicional chapéu de palha.

Deixar um Comentário