Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Duque garante só ter sido consultado sobre Karina na montagem da equipe de Márcia

Publicado em Notícias por em 2 de janeiro de 2021

Ex-prefeito novamente se colocou como opção para Estadual em 2022 e condicionou candidatura pelo PT a conversa que terá com Humberto Costa  

O ex-prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque (PT), deu sua primeira entrevista depois de entregar o mandato a Márcia Conrado. Foi na Revista da Cultura.

Claro, Luciano foi chamado a avaliar o novo secretariado de Márcia Conrado e dizer qual foi sua participação nas indicações. “O único contato que recebi de Márcia foi me consultando sobre a indicação de minha esposa para integrar o governo. Fora isso, não tive nenhuma participação”, garantiu.

Sobre os holofotes, que estarão focados na participação de Karina Rodrigues na Saúde, Duque disse que é normal que aconteça, mas que tem dialogado e certo de que ela fará um bom trabalho. Luciano admitiu que Karina precisará conhecer melhor a estrutura da pasta, mas se cercará de uma boa assessoria para realizar um bom trabalho.

Perguntado se a ida para a Saúde não pode gerar rumores de que ela poderia se alçar a nome cotado para cargo eletivo, seguindo o exemplo de Márcia Conrado, Luciano Duque disse não haver a menor possibilidade. “A cidade onde ela até ensaiou ser candidata é Belmonte, terra onde nasceu”.

Perguntado se Márcia Conrado não estaria se isolando muito e entregando muito algumas decisões a assessores – aliados reclamam da dificuldade de contato –  Duque admite que essa decisão pode ter relação com os desafios da montagem de governo, mas destacou que deve tratar do tema com ela. “Ninguém governa em um casulo. E ninguém lidera prefeito, prefeita. Ela sabe disso”.

Luciano Duque destacou que já está atuando em uma consultoria para gestão pública e revelou já contar com os nomes de Josembergues Melo e Josenildo Barbosa, que estiveram com ele nos seus governos.

Sobre 2022, falou como pré-candidato a Deputado Estadual como defensor da pauta municipalista. Ele disse que vai levar o projeto ao Pajeú e outras regiões sertanejas. Mostrou-se preparado para enfrentar a realidade de “cidades loteadas”, com prefeitos já definindo candidatos sem respeito ao discurso de “nome da terra”. Duque disse que sabe da realidade das “capitanias hereditárias” na região e que tem que encarar essa realidade.

Perguntado se será candidato pelo PT diante de divisões que ajudaram, por exemplo, na derrota de Marília Arraes no Recife, Luciano disse que tem uma conversa agendada com Humberto Costa, com quem teve rusgas por estarem em campos opostos no PT, para decidir sobre futuro. “É o momento de consertação no PT”, disse, admitindo ter sido convidado por outras legendas.

Deixar um Comentário