Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Um Gênio da Arte

Publicado em Notícias por em 4 de setembro de 2014

JoaoParaibano

Por Adelmo Santos*

Um simples gesto e o “sopro do Criador numa atitude repleta de amor”, como disse o poeta Luiz Gonzaga Jr. nos deu de presente na cidade de Princesa Isabel do Coronel Zé Pereira um filho muito ilustre João Pereira da Luz.

Quis Deus que João trouxesse no nome a luz que precisava para cantar e encantar, e por muito tempo fomos agraciados com a sua arte de fazer poesia de repente. Como é possível de uma mente humana em tão poucos segundos se juntar palavras e se formar um belo diagrama completo de cores e rimas.

E João Pereira da Luz se chamou João Paraibano, mas porque não João Pernambucano, ou João do Pajeú. Nada melhor que João Paraibano do Povo. Esse mesmo povo se despede daquele que representou por meio da poesia a alma e o sentimento do homem e da mulher sertaneja.

Os gênios são muitas vezes incompreensíveis, e João por ser gênio , trazia versos com traços de filosofia,foi na fonte da natureza onde bebeu e alimentou a alma de tanta gente simples do nosso esturricado Sertão.

Quem se atreve cantar com tanta maestria o roçado de milho verde, a riqueza do inverno, as trovoadas, a figura do vaqueiro na caatinga, os banhos na correnteza do riacho, o flagelo das secas, o canto do sabia, da acauã, a asa branca nosso símbolo maior, o mandacaru, o juazeiro. Com tantas fontes de inspiração, a alma de João transbordou poesia.

E a Rádio Pajeú? Suas ondas médias que levou por tanto tempo o show de João para os grotões mais longínquos, o sentimento e a alma sertaneja em forma de poesia. Um prazer incomum ouvir João cantar o que o povo mais queria ouvir: a alegria, a tristeza, a fartura, o sofrimento de um povo.

Como João partiu para a eternidade, teve um começo e muitos recomeços. Muitos tiveram o privilégio de compartilhar com João ao som da viola o embalo de tantas cantorias, foram parceiros, e mais do que isso, companheiros, amigos e irmãos.

Chega Raimundo Borges e descobre João na cidade de Flores, João precisava brilhar e com seus vinte anos de idade, sua candeia se acende, começa nos primórdios dos anos 70 uma esplendida trajetória no Programa “Quando as Violas se Encontram” na Rádio Pajeú, era João Paraibano e Raimundo Borges às 11 da manhã, um encontro marcado.

No caminho de João, outro parceiro da viola que dividiu durante 36 anos muitas alegrias, dificuldades também e pé na estrada, dois predestinados a viajar e levar sua arte ao povo simples, a gente humilde, não importava aonde. Foi Sebastião Dias tão presente na sua caminhada, que parece não entender o que está acontecendo. Mas é isso mesmo, João e Sebastião dois amigos para sempre.

Nessa caminhada de tanto brilho, não poderia faltar Valdir Teles e Diomedes Mariano que em mais de uma década foram honrados por poder fazer dupla e compartilhar da inspiração de João.

O atual “Encontro com a Poesia” das 11 e meia na Rádio Pajeú, deixa Heleno da Silveira sem seu parceiro maior. Os horários matutinos, sempre às 11 horas na Rádio Pajeú nos acostumou com a genialidade poética de João, foram mais de quatro décadas. Agora João, descansa em paz!!!

João Paraibano, a identidade

João Pereira da Luz, a genialidade,

João simples e sereno

João espiritual e terreno,

João tesouro da poesia

João que nos trouxe alegria,

João que deixa saudade

João que enaltece o campo e a cidade,

João por Afogados adotado,

De arte e versos geniais

Estarão para sempre nos anais

Da cultura e da história de Afogados.

* Adelmo Santos é Historiador

Deixar um Comentário