Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Difundido de forma irresponsável, tratamento precoce contra Covid agrava quadro e aumenta mortes

Publicado em Notícias por em 5 de abril de 2021

Falsos especialistas,  extremistas e até adeptos da medicina ideológica tem levado pessoas a mais complicações.  Falta de punição faz do Brasil país ideal sem punição alguma para quem difunde e ajuda a matar

O chamado “tratamento precoce” contra a Covid-19 foi propagandeado por negacionistas e até alguns profissionais de saúde na região.

Estudos científicos ao redor do mundo já certificavam a ineficácia de qualquer tratamento preventivo para a doença. No entanto, o “kit covid” continuou a ser difundido pelas autoridades federais brasileiras e pelo próprio Ministério da Saúde, alémde médicos que, morassem em outro país teriam registro cassado e seriam presos. 

A onda negacionista da vez enchendo as redes de fake news vem de Chapecó.  O prefeito João Rodrigues pregou o tratamento sem eficácia,  os casos explodiram e ele foi obrigado a decretar um lockdown de 15 dias. Os casos caíram e ele atribuiu o fato à causa do aumento,  a liberação de eventos e o tratamento ineficaz.

Passadas mais de 330 mil mortes pela Covid-19 no país, médicos relatam efeitos colaterais graves em pacientes que tomaram medicamentos antes de diagnosticados sem comprovação científica para o vírus, como lesão renal, arritmia cardíaca e dificuldade no tratamento de casos graves. 

O “kit covid”, pregado Brasil afora, inclui drogas como hidroxicloroquina, ivermectina, corticoides, azitromicina e anticoagulantes.

“O que tem preocupado muito [os médicos] é que as pessoas estão desesperadas para tomar algum tipo de tratamento. Muitas vezes, elas não só lançam mão do ‘kit covid’, mas de várias outras coisas, como vitamina D, de anti-inflamatórios, corticoides. Não tem sido incomum a gente ver pacientes com muitos efeitos colaterais decorrentes desse tipo de medicação”, relatou o Dr. Christian Morinaga, gerente do Pronto Atendimento do Hospital Sírio-Libanês. 

Dr. Carlos Carvalho, chefe de pneumologia do Instituto do Coração (Incor), do Hospital das Clínicas (Faculdade de Medicina da USP), confirma a incidência de lesão em ductos na região do fígado em pacientes que fizeram uso de ivermectina, droga usada para combater verminoses. Em alguns casos, ele relata a necessidade de transplante hepático (fígado). O médico afirma que há a impressão que as infecções mais graves pela Covid-19 são notadas em pacientes que fizeram uso do “kit covid”. 

“Aqui nós temos hoje 150 pacientes internados no InCor. Se eu fizer uma enquete, eu te diria que dois terços a três quartos desses pacientes que estão aqui internados, sendo a maioria deles intubados, tomaram o kit covid antes de adquirir a doença ou no início dos sintomas”, descreve o pneumologista.

“Quem falou que deu o ‘kit covid’ para população e disse que o resultado foi estupendo não vivenciou o doente grave que tá aqui nas UTIs e no Hospital. A maior parte dos que estão aqui hoje tomaram”, continua.

Para os pacientes que fizeram uso da cloroquina ou hidroxicloroquina e contraíram a Covid-19, os médicos relatam alterações no ritmo cardíaco.

O Dr. Christian diz que o uso indevido da ivermectina e da azitromicina pode inflamar o fígado. Nos pacientes infectados com a Covid-19 em um estágio avançado da doença, quando é necessário outras medicações para o tratamento, a inflamação e os demais efeitos colaterais prejudicam a cura da infecção.

“Quanto mais órgãos vitais forem inflamados e lesados maior é a letalidade dessa doença”, explica Dr. Carlos Carvalho.

“Os casos de hepatite medicamentosa têm aumentado, mas a gente não teve notícia de nenhum caso grave, felizmente. Nestes casos, com a suspensão da medicação, houve melhora. Porém, é um quadro potencialmente grave que, num pior cenário, pode prejudicar muito o tratamento”, explica Christian sobre os casos no Sírio-Libanês.

Tratamento precoce contra Covid com eficácia comprovada até existe segundo especialistas realmente preocupados com a vida: chama-se vacina.

Deixar um Comentário