Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?



Com direito a “Fora Temer” e documentário sobre a Rádio Pajeú, terminou Festival de Cinema de Triunfo

Publicado em Notícias por em 14 de agosto de 2016

93dd50fa-ec6a-4a13-b814-1d895aeb73aa

Fotos gentilmente cedidas por Cláudio Gomes e Wellington Júnior

Depois de seis dias de exibições que celebraram a recente produção audiovisual pernambucana e nacional, chegou ao fim a nona edição do Festival de Cinema de Triunfo. O encerramento aconteceu no belo Cine Teatro Guarany. O festival consagra mais uma vez sua vocação de ser um evento que também fortalece a cadeia do audiovisual no estado, garantindo a circulação das novas produções, o conhecimento e a troca de informações, experiências e pensamentos que colaboram para encaminhamentos concretos que aperfeiçoam as políticas públicas voltadas para o segmento.

O evento, realizado pelo Governo de Pernambuco, através da Secult-PE e Fundarpe, em parceria com a Prefeitura de Triunfo, teve como homenageados desta edição os atores Germano Haiut e Maeve Jinkings. Este ano, o evento contou também com o apoio do SESC-PE, da Cepe Editora, e da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), além de parceria com mostras audiovisuais independentes, como Criancine, Cine Belo Jardim e Stopmotion. Este ano, o festival contemplou cerca de 3 mil pessoas em todas as ações e ampliou a participação de pessoas nas localidades próximas a Triunfo, como Jatiúca, Canaã, Jericó, Santa cruz da Baixa Verde, Manaíra, Princesa Isabel, Flores, além de Serra Talhada e Afogados da Ingazeira.

Willian Tenório, idealizador da Mostra Pajeú de Cinema, participou do Juri do Festival de Triunfo

Willian Tenório, idealizador da Mostra Pajeú de Cinema, participou do Juri do Festival de Triunfo

Alexandre Morais, este blogueiro, Wellington Júnior e Cláudio Gomes

Alexandre Morais, este blogueiro, Wellington Júnior e Cláudio Gomes

Grupo que produziu documentário sobre a Rádio Pajeú

Grupo que produziu documentário sobre a Rádio Pajeú

IMG_7470ok

Imagem do documentário Rádio Pajeú

Imagem do documentário Rádio Pajeú

“Esse gesto de realizar o festival mostra uma característica de resistência. Essa integração com a educação, que estávamos fazendo valer em outros segmentos da cultura, prevaleceu aqui também, sendo estratégico para a política do setor. A Lei que institui que as escolas devem promover a filmografia brasileira só nos auxilia nesse processo.  Então, mesmo neste momento temeroso que estamos passando, a arte vem com essa magia de apontar para o futuro”, falou o secretário de Cultura de Pernambuco Marcelino Granja, que garantiu a realização da próxima edição do Festival de Cinema de Triunfo.

Foram oferecidas quatro oficinas gratuitas: Documentando (Afogados da Ingazeira) e as inéditas Experimentando Animação (Serra Talhada), Videoclipe Experimental (Triunfo) e Oficinas criativas: as maiores historinhas brasileiras de todos os tempos (Triunfo). O painel Cine Educador reuniu gestores e professores da Serra Talhada, com o objetivo de troca de informações sobre as diversas possibilidades de utilização do audiovisual em sala de aula, como instrumento pedagógico.

A oficina afogadense, coordenada por Marlom Meirelles (Documentando),  produziu o documentário Rádio Pajeú, contando em 13 minutos um pouco da história da primeira emissora do Sertão Pernambucano. O projeto acabou virando embrião de uma produção maior, que deverá ser exibida em outubro, dentro das comemorações dos 57 anos da emissora, no Cine São José.

Fora Temer: em toda a cerimônia de premiação, não foram poucos os cineastas e cineclubistas que recorreram à clássica Fora Temer. O próprio Secretário Marcelino Granja, com origens no PCdoB, falou sobre as políticas de incentivo à cultura que nasceram no governo Lula  e acrescentou: “apesar da Temeridade que estamos vivendo, vamos lutar para ampliar as politicas culturais”, sendo aplaudido. O aspecto político do evento também teve cine clubistas do estado cobrando mais respeito à diversidade na divisão de recursos do cinema pernambucano  e melhor distribuição do Funcultura Audiovisual.

Marcelino Granja e Maeve Jinkings

Marcelino Granja e Maeve Jinkings

Marcelino Granja (Secretário de Cultura), este blogueiro, mais os homenageados Germano Haiut e Maeve Jinkings

Marcelino Granja (Secretário de Cultura), este blogueiro, mais os homenageados Germano Haiut e Maeve Jinkings

Homenageados: A noite do sábado, no Festival de Cinema de Triunfo, homenageou o ator pernambucano Germano Haiut que, ao longo dos seus mais de 50 anos dedicados à atuação, também desempenhou importantes papeis em produções cinematográficas brasileiras, a exemplos dos filmes Baile Perfumado, O ano em que meus pais saíram de férias, Reflexões de um liquidificador, Quincas Berro D’água, entre outros.  Atualmente estudando um texto para o teatro, Germano ficou muito feliz e emocionado com a homenagem.

Maeve Jinkings recebeu a homenagem pela grande contribuição à filmografia pernambucana.  Ela atuou em longas como Era uma vez Verônica (Marcelo Gomes, 2013), Boa Sorte Meu Amor (Daniel Aragão, 2013), O som ao redor  (Kléber Mendonça Filho, 2013), Amor, Plástico e Barulho (Renata Pinheiro, 2015), Big Jato (Cláudio Assis, 2015), Boi Neon (Gabriel Mascaro, 2016), Aquarius (Kléber Mendonça filho, 2016), entre outros.

O Troféu Cineclubista de Melhor filme para reflexão ficou com  Exília, de Renata Claus. O prêmio da ABD foi para Black Out, de Felipe Peres. Na premiação do Juri Popular, ganharam  Joaquim Bralhador, de Márcio Câmara (Melhor Curta da Mostra Competitiva dos Sertões), Um brinde, de João Vigo (Melhor Curta Pernambucano), Ana e a Borboleta, de Isabela Veiga (melhor Curta Infanto Juvenil), Em Defesa da Família, de Daniela Cronemberger (Melhor Curta-Metragem da Mostra Competitiva Nacional).

IMG_7777ok

O Melhor Longa Metragem da Mostra Competitiva Nacional foi Danado de Bom, sobre a obra do arcoverdense João Silva, compositor de Luiz Gonzaga, de Deby Brennand, que também ganhou na categoria Melhor Trilha Sonora. Merecido pelo resgate à nossos valores.

O Melhor Longa Metragem da Mostra Competitiva Nacional foi Danado de Bom, sobre a obra do arcoverdense João Silva, compositor de Luiz Gonzaga, de Deby Brennand, que também ganhou na categoria Melhor Trilha Sonora. O Melhor Filme Pernambucano foi Exília, de Renata Claus. O melhor Filme da Categoria Curta-Metragem Nacional ficou com Quem matou Eloá?, de Lívia Perez. O grande vencedor do Festival na categoria Longa Metragem Nacional foi  Minha Amada Morta que levou melhor ator (Fernando Alves Pinto), Melhor Produção, Melhor Roteiro, Melhor Montagem, Melhor Direção e Melhor filme da categoria Longa Metragem.

Veja todos os premiados clicando aqui.

 

Deixar um Comentário