Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Coluna do Domingão

Publicado em Notícias por em 3 de janeiro de 2021

Tão reclamando do quê?

Essa semana, tomaram as manchetes as notícias de acordos escusos,  arrumações e conchavos em torno da escolha das Mesas Diretoras de algumas Câmaras na região.

O caso mais emblemático, o de Dicinha do Calçamento,  do MDB de Tabira que, após garantir em uma rede social que votaria em Edmundo Barros, novamente pulou sobre a linha da própria palavra e decidiu por Djalma das Almofadas.

Nas redes sociais,  aliados de Dinca Brandino criticaram duramente e taxaram de vergonha o gesto de Dicinha. Mas não tem do que reclamar.  Enquanto o eleitor, o sistema estabelecido e a porta para esse tipo de acordo não forem melhor coibidos e fiscalizados,  será cobrança em vão.

O problema começa no escancarado processo de compra de mandatos, aliado ao voto obrigatório e putrefação da instituição política.  Só isso para explicar um vereador apelidado de “pula-pula” por seus vários casos de infidelidade, acusado até de desvio de água para seu sítio (ele nega),  criticado pela própria irmã por seu modus operanti, etecétera, ser eleito com 608 votos, mesmo que ajudado pela regra eleitoral.

A derrota política de Dinca Brandino também não pode ser lamentada pelo prisma da infidelidade.  Dicinha foi aceito, acolhido por eles com todo esse currículo e vida pregressa. Um mínimo critério de decência estabelecido teria evitado a filiação de Pula Pula ao MDB. E assim são vários.

É mais consequência da podridão do sistema do que causa.  E isso se reproduz em mais cidades do que se possa imaginar, hora com mais holofotes, hora no escondido.

Não precisa chover no molhado. Todas as mudanças de rumo na escolha das mesas diretoras sertão adentro foram cercadas de ritos impublicáveis e situações que só envergonham a verdadeira política. Teve até o caso de vereadores entocados para evitar rompimento de acordão, regra de não atender telefone,  e muito mais.

E assim caminha a humanidade: com muito discurso e poucos exemplos práticos de combate à essas situações,  perde a política,  a sociedade, a decência,  o futuro…

Novos ares

Madalena Brito já saiu do grupo do monitoramento da pandemia de Covid-19 que tem vários representantes da sociedade civil em Afogados. Assumirá,  depois de um período na Vigilância Sanitária,  a Secretaria de Saúde em Flores.

Leu?

Setores da oposição de Calumbi garantem que o novo presidente da Câmara, Zé Luiz, 63 anos, pai do prefeito Joelson, é analfabeto de pai e mãe. Em 2016, o MP o acusou por insuficiência e ele teve trabalho pra disputar.  Agora, responde pela Casa das Leis do município. No registro de candidato,  consta que “lê e escreve”.

A indicada

Nos bastidores,  a informação que mais rodou por aliados de Totonho e Daniel Valadares foi da indicação de Evângela Vieira para ocupar a gestão Sandrinho. A pasta seria Assistência Social. O prefeito já tinha interesse em chamar Madalena Patriota. Evângela é consultora na área em alguns municípios do Estado.

Não precisa tecla SAP

Dinca Brandino encerrando a solenidade de posse depois da prefeita eleita e esposa Nicinha,  ainda dizendo na primeira pessoa que uma auditoria vai revirar a gestão Sebastião Dias foi fato tão  auto explicativo que não precisa de legenda.

Reconheceu

Apesar de seguir em palanque oposto, o ex-prefeito de Serra Talhada,  Luciano Duque,  do PT, disse que a população não pode reclamar do ciclo de Paulo Câmara.  Citou ações como a rota Recife-Serra e o Hospital Eduardo Campos. “Fez muito por Serra”.

Lançado por Vossa Excelência

Em “promotonês”, o representante do MP, Lúcio Luiz de Almeida Neto praticamente lançou a candidatura de José Patriota a Deputado Estadual na posse de Sandrinho sexta. “Está preparado”, disse em alto e bom som. Patriota desconversou…

O favorito

Com Márcia Conrado e Sandrinho Palmeira relutando em aceitar a gestão do Cimpajeú – querem foco inicial nos mandatos , o nome que ganhou força foi o do prefeito de Ingazeira,  Luciano Torres.  O gestor chegou a assumir a presidência da Amupe.

Frase da semana:

“O ex-prefeito (Dinca) não me intimida,  me levou apulso pra fazer uma live na casa dele e por causa de sua besteira eu deixei de votar em Edmundo Barros”.

De Dicinha do Calçamento na nova justificativa para o novo “pula”.

Deixar um Comentário