Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Afogados perde o gente boa Dimas do Bar

Publicado em Notícias por em 19 de julho de 2022

Morreu na noite de ontem Dimas Rodrigues Marques, o Dimas do Bar. Ele faleceu no Hospital Barão de Lucena, na capital pernambucana.

Ele tinha 68 anos e morreu de hemorragia interna. A informação foi confirmada por uma de suas filhas.  O corpo chegou do Recife essa manhã. O sepultamento ocorrerá no Cemitério São Judas Tadeu, às 17 horas. O  velório ocorre na rua Pedro Pires, número 153.

Dimas atuou no ramo por mais de três décadas e meia e era muito querido em Afogados.  Sua despedida do ramo mereceu uma nota do blog em julho de 2017, há exatos cinco anos:

Um dos pontos de encontro mais antigos da cidade de Afogados da Ingazeira, o Bar de Dimas, fechou suas portas oficialmente neste domingo. Dimas tem 63 anos de idade e nada menos que 37 anos dedicados à atividade. “Passei seis anos no exército e então quando fui licenciado comecei na São Sebastião e parei aqui. Faria tudo de novo”, diz o sertanejo nascido em Pelo Sinal, Solidão.

Com a atividade, Dimas conseguiu ajudar às três filhas na formação universitária na renomada UFPE. . Uma física, outra química industrial e uma terceira enfermeira Ana Nery, “Foi o orgulho que tive na vida, formar minhas filhas”. Perdeu a esposa, Dona Elza Queiroz há pouco tempo. “Vivi trinta e seis anos com minha esposa, até que Deus chamou”. No meio do caminho, nem um AVC, que limitou o movimento de um dos braços, o fez desistir de viver e lutar. Ainda tinha metas a alcançar, se realizando pela prole.

Sobre as lições, duas: “Coisa material pra mim não vale nada.  E procurei sempre o certo, o errado fica pra lá”. Garante Dimas, vai ser normal sentir saudade do espaço, aliás, adquirido com seu esforço, prestes a ser adaptado para outra atividade, a partir da formação das filhas. Perguntado se alugaria para um outro bar, foi direto: “não se paga um aluguel num ponto desse com o movimento de bar”.

Um erro de interpretação fez algumas pessoas noticiarem a morte do dono, quando o “passamento” é de seu conhecido espaço, reflexo da crise e da forte concorrência. Dimas preferiu o descanso, não o eterno, mas de seus futuros dias de existência. “Já morri antes umas três ou quatro vezes na boca do povo. O povo gosta de matar mas estou aqui graças a Deus. Até achei bom (o boato) porque aumentou o movimento”, brinca.

A notícia fez muita gente boa procurar seu bar essa noite. Bem verdade, teve quem fosse saber do velório. Mas bares não precisam de velas, e sim de um bom brinde. Através do seu bar conseguiu manter a dignidade da família. Assim, um brinde e vinda longa ao Dimas do bar!

Deixar um Comentário