Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Chama o SAMU: saiba quando chamar, ou não, o serviço de emergência

Publicado em Notícias por em 8 de outubro de 2021

Por André Luis

O SAMU 192 da III Macrorregião de Saúde de Pernambuco, realizada pelo Consórcio de Integração dos Municípios do Pajeú (Cimpajeú), iniciou as suas operações nesta quinta-feira (7).

Em entrevista ao programa A Tarde é Sua da Rádio Pajeú, nesta sexta-feira (8), o secretário de Saúde de Afogados da Ingazeira, Artur Amorim, relembrou toda a trajetória, nestes quase oito anos para trazer o serviço para a região.

Segundo o secretário, no total, 34 cidades da III Macrorregião de Saúde aderiram ao SAMU Consorciado, que funcionará em duas etapas. “Nesta primeira etapa, estão sendo habilitadas 12 Unidades Móveis de Suporte Básico (UBS) das cidades de Serra Talhada, Afogados da Ingazeira, Carnaíba, Tabira, São José do Egito, Ingazeira, Sertânia, Iguaracy, Flores, Manari e Petrolândia. Além de 2 Unidades de Suporte Avançado (UTI) nas cidades de Serra Talhada e Petrolândia”, explicou.

Artur também esclareceu que em até 60 dias, serão habilitadas mais 12 USBs e 2 UTIs, totalizando 24 USBs e 04 UTIs.

O secretário de Saúde de Afogados, aproveitou para esclarecer em quais situações as pessoas devem ou não chamar o serviço de emergência.

Quando chamar o Samu: “problemas cardiorrespiratórios; intoxicação exógena e envenenamento; queimaduras graves; maus tratos; trabalhos de parto em que haja risco de morte da mãe ou do feto; tentativas de suicídio; crises hipertensivas e dores no peito de aparecimento súbito; acidentes/traumas com vítimas; afogamentos; choque elétrico; acidentes com produtos perigosos; suspeita de Infarto ou AVC; agressão por arma de fogo ou arma branca; soterramento e desabamento; crises convulsivas; transferência inter-hospitalar de doentes graves e outras situações consideradas de urgência ou emergência, com risco de morte, sequela ou sofrimento intenso”.

Quando não chamar o Samu: “febre prolongada; dores crônicas; vômito e diarreia; levar pacientes para consulta médica ou exames; transporte de óbito; dor de dente; transferência sem regulação médica prévia; trocas de sonda; corte com pouco sangramento, entorses; transportes inter-hospitalares de pacientes de convênio e todas as demais situações onde não se caracterize urgência ou emergência médica”.

Artur também destacou algumas dicas que podem ajudar a agilizar o atendimento no momento em que a pessoa aciona o serviço. São elas: “em caso de acidente verifique a quantidade de vítimas, o estado de consciência delas e se alguma está presa às ferragens; ligue para o 192 e siga as orientações do médico regulador; sinalize as vias com galhos de árvore e triângulo de sinalização; em caso de acidente com motos, não toque nas vítimas e não retire o capacete e não dê água aos acidentados”.

Deixar um Comentário