Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Ação antiterrorista mata 2 suspeitos e fere um na Bélgica

Publicado em Notícias por em 15 de janeiro de 2015
15ju2015---morador-de-viviers-no-leste-da-belgica-publica-imagem-da-movimentacao-da-policia-no-local-onde-ocorreu-a-operacao-antiterrorista-1421346527406_300x420

Morador de Viviers, no leste da Bélgica, publica imagem da movimentação da polícia no local da operação antiterrorista

Célula planejava grande ataque, diz promotor

Dois suspeitos foram mortos durante uma operação antiterrorismo nesta quinta-feira (15) da polícia em Verviers, no leste da Bélgica, afirmaram as autoridades belgas. Um terceiro suspeito foi preso. Eles teriam acabado de retornar da Síria e tinham ligação com o grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Dez operações de busca e apreensão foram conduzidas também nas cidades de Vilvorde, Bruxelles-Ville, Schaerbeek, Zaventem e Molenbeek-Saint-Jean. O alerta para possíveis atentados terroristas na Bélgica subiu para o nível três (o máximo  é quatro).

O porta-voz da procuradoria federal da Bélgica, Eric Van der Sypt, confirmou que dois dos suspeitos foram mortos. Eles atiraram contra as forças da polícia federal belga que chegaram ao apartamento dos suspeitos para prendê-los.

Durante a operação, três explosões e dezenas de tiros foram ouvidos perto do local da ação por moradores ouvidos pela emissora “RTBF”.

“A célula terrorista pretendia praticar atentados em grande escala na Bélgica”, detalhou Van der Sypt. Por enquanto, não há ligação direta com os ataques da semana passada em Paris, completou.

Os suspeitos detinham “armamentos de guerra e pistolas semiautomáticas”, segundo Van der Sypt. Nenhum policial ou testemunha foram feridos na ação.

A célula terrorista era investigada pela Polícia Federal do país e escutas telefônicas revelaram a intenção de um “ataque iminente” à capital belga, informaram fontes policiais à mídia local.

A Bélgica está no foco as operações antiterror na Europa após forças policiais descobrirem que as armas usadas nos atentados à revista “Charlie Hebdo” e ao mercado judaico em Paris foram compradas de gangues belgas em Bruxelas e Charleroi. (Com agências para o Uol)

Deixar um Comentário