Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Rússia confirma anistia, e ativista deve chegar sábado ao Brasil

Publicado em Sem categoria por em 25 de dezembro de 2013

A ativista brasileira Ana Paula Maciel, 31, na Rússia recebeu hoje oficialmente a anistia das autoridades russas e deve chegar ao Brasil no próximo sábado.

Ela faz parte do grupo de 30 ativistas do Greenpeace detidos em 19 de setembro durante um protesto contra a exploração de petróleo no Ártico.

Ana Paula disse à Folha de São Paulo que se encontrou com o Comitê de Investigação nesta quarta, quando foi entregue a confirmação de que está livre das acusações por vandalismo e pirataria. Ela e os colegas ficaram cerca de dois meses presos e estavam em liberdade provisória desde o fim de novembro.

“Recebi hoje a anistia e já fui na imigração. Na sexta-feira pego meu visto de saída e deixo a Rússia. Devo chegar no sábado em Porto Alegre”, contou, por telefone, de São Petersburgo.

A ativista afirmou que não vê motivos para comemoração: “Estou recebendo uma anistia por crimes que não cometi e ainda estão com nosso barco apreendido em Murmansk, além disso, já começaram a retirar óleo do Ártico”.

348415-970x600-1

Na semana passada, o Parlamento russo, com o apoio do presidente Vladimir Putin, aprovou uma lei anistiando 20 mil prisioneiros, medida que alcança os ativistas do Greenpeace.

Segundo a ONG, todos os ativistas já foram convocados, entre ontem e hoje, para receber a anistia. “Eles querem se livrar da gente”, disse a brasileira.

A anistia aprovada pelo parlamento russo já beneficiou as duas integrantes da banda Pussy Riot condenadas a dois anos de prisão por terem gravado um vídeo em que cantam contra Putin em uma catedral ortodoxa de Moscou. Elas deixaram a cadeia anteontem.

Antes delas, Putin havia decidido libertar o ex-magnata do petróleo Mikhail Khodorkovsky, um dos seus maiores inimigos e que estava havia dez anos preso.

Uma das estratégias do dirigente russo ao libertar essas pessoas é melhorar a imagem externa do seu país e impedir protestos nos Jogos Olímpicos de fevereiro, em Sochi, na costa do mar Negro, ao sul da Rússia.

Deixar um Comentário