Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?



Site do PT explora ajuda do governo federal durante greve da PM em Pernambuco

Publicado em Sem categoria por em 17 de maio de 2014

Do Diário de Pernambuco

A greve dos Policias Militares em Pernambuco terminou, mas as o Partido dos Trabalhadores (PT) não deixou o assunto passar em branco. Na manhã desta sexta-feira (16), o site oficial do partido colocou como um dos destaques a participação da Força Nacional e de tropas do Exército durante a crise da segurança no estado. A publicação destaca o pedido de ajuda do governador João Lyra Neto (PSB) a presidente Dilma Rousseff (PT). “A corporação já colocou militares de sobreaviso, caso seja preciso reforçar as tropas da Força Nacional”, reforça o texto da agência de notícias da legenda.

A reportagem ainda destaca a participação do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Apesar do contigente das forças federais estar presente no estado desde a manhã da quinta-feira (15), enquanto durava a greve, o auxiliar da presidente Dilma só chegou ao estado às 16h. Vale ressaltar ainda que, enquanto os grevistas declaravam o fim da paralisação, que já tinha sido considerada ilegal pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), o mesmo ministro concedia uma entrevista coletiva na secretaria de Planejamento e Gestão ao lado do governador João Lyra Neto.

O senador de Pernambuco Humberto Costa, também do PT, reforçou a ajuda do governo federal durante a paralisação dos policiais no estado. Em um comunicado à imprensa, Humberto disse que o apoio do governo federal e a presença das Forças Armadas em Pernambuco foram fundamentais para o fim da greve no estado. “A presidente Dilma se dedicou pessoalmente para garantir a segurança. O empenho foi de todo o governo e o apoio foi dado desde o primeiro momento em que foi solicitado pelo governador João Lyra”, assinalou.

O desfecho da greve dos policiais e bombeiros militares em Pernambuco, no entanto, começou a ser costurado nos bastidores com a intervenção de deputados estaduais ligados ao governo, à oposição e à bancada independente. Desde quarta-feira (14), pelo menos duas reuniões foram realizadas a portas fechadas na Assembleia Legislativa do estado entre os parlamentares e a comissão que representa a categoria. Nessas conversas, a pauta de reivindicações foi apresentada, as garantias foram dadas e o acordo foi finalmente fechado.

A primeira dessas reuniões ocorreu ainda na manhã da quarta, depois que a Justiça decretou a ilegalidade do movimento. Como naquele momento o governo havia fechado o canal de negociações por conta da decisão, coube aos deputados o trabalho de mediar o debate. A reunião aconteceu no gabinete do presidente da Casa, Gulherme Uchôa (PDT). “A pauta foi aprovada, excetuando-se a questão do aumento salarial, por conta da legislação eleitoral. Mas, como os ânimos estavam acirrados, a proposta só foi levada à tropa hoje (ontem)”, explicou o deputado Alberto Feitosa (PR).

Deixar um Comentário