Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Uma cadeira para a emoção

Publicado em Notícias por em 14 de abril de 2019

 

O fim do jogo e o abraço emocionado do presidente do Afogados FC, João Nogueira no narrador da Rádio Pajeú Aldo Vidal. Vídeo de Tito Barbosa 

Vejam como o futebol mexe com o interior e o papel do rádio. Onde você veria um presidente de clube partindo para uma cabine de rádio e comemorando com o narrador esportivo uma conquista de seu clube?

O presidente do Afogados FC, João Nogueira, teve como primeira reação entrar na cabine da Rádio Pajeú para comemorar o terceiro lugar e uma incrível vaga na Copa do Brasil, que vale mais de R$ 500 mil, para um clube com folha de R$ 60 mil em média. Partiu para abraçar o narrador Aldo Vidal, da Rádio Pajeú, emissora pioneira do Sertão do Estado, não menos emocionado.

“Cinquenta minutos agora! Ele vai pedir a bola! Acaboooou! Acaboooou! Acaboooou!! É festa torcedor!! Os jogadores se abracam!! Essa festa é sua!!” – bradava o narrador, para em seguida ser abraçado pelo presidente do clube, que agradeceu à importância que o prefixo teve em levar as emoções para sertanejos em casa.

E teve razão de fazê-lo. A  partida, que foi encarada como uma final do interior, só tinha a presença de veículos de imprensa do Sertão, quase todos de Salgueiro. Não havia imagens porque a TV não se interessou. Chegou a se comentar uma transmissão de uma TV paga. Nada.  Nem a TV Web contratada pela Federação esteve lá. Deveria, mas não esteve. Rádios de Recife? Nenhuma. Uma afiliada da Globo ainda gravou algumas imagens para a fria edição da segunda. E só.

Quem estava na região do Pajeú, como nos velhos tempos, só teve o bom e velho rádio como companheiro. E na hora do gol de Grafite, no fim do jogo, que valeu o 3×2 para o time de Afogados da Ingazeira, era possível ouvir a vibração das ruas, como nos tempos onde o rádio era o único meio de informação e entretenimento. Ontem na verdade, para um pedaço do estado, voltou a ser. E que bom que foi assim!

 

O gol de Grafite, narrado por Aldo Vidal

No WhatsApp da emissora, mensagens indicando que aquela transmissão correu o mundo. Pessoas de vários estados e de fora com raízes no Sertão davam notícias de que pela net, ouviram a transmissão histórica. Páginas e contas no Twitter especializadas souberam o que aconteceu pela cobertura da emissora, como a @FutebolDeRaizes, que destacou as entrevistas emocionadas após o jogo e os feitos. “Busquei várias rádios do Estado. Muitas não transmitiram a decisão de terceiro lugar do Pernambucano. Vibrei com a Rádio Pajeú de Afogados da Ingazeira”, disse Paulo Peterson no Twitter.

Na região, muitos ouvindo em várias cidades. Esse ambiente criado pela emissora também contribui com o projeto, pois reverbera a dimensão e feitos heróicos do clube, com os seus veículos associados, como este blog, o Portal Pajeú Radioweb, as redes sociais desses canais. Isso facilita no envolvimento social e consequentemente econômico do clube. Veja Arcoverde, sem rádio esportivo, e o sobe desce de divisão do seu Flamengo. Não é “o fator”, mas se soma a todos os outros. Daí a palavra consciente do João e a cena atípica da entrada na cabine para festejar, inimaginável em outros cenários e contextos. Imagine o presidente do Flamengo invadindo a cabine da Globo para comemorar um título? Assim, só e ainda se vê aqui.

Viva a força de emissoras como a Rádio Pajeú, que colocou o Afogados FC na cadeira da frente e o levou para muito mais longe que os 400 quilômetros que separam a cidade da Arena Pernambuco, por exemplo. A vida, os caminhos que ela toma e principalmente as pessoas podem até nos surpreender, com traição, falsidade, vitórias que são fracassos para a alma manchada.

Mas o rádio não trai. É verdadeiro, paixão, emoção que não nos engana. Por isso o amo tanto. Sempre foi parceiro, sentindo a emoção que o povo sente, nunca entrega menos que promete. Sempre estende a mão, incondicionalmente!

Deixar um Comentário