Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Um rio que se derrama em versos

Publicado em Sem categoria por em 24 de janeiro de 2014

O cantador Diomedes Mariano, natural de Solidão, mas reside atualmente em Af. da Ingazeira, é um dos 26 personagens do livro Crédito: Tuca Siqueira/divulgação

Intermitente, o Rio Pajeú há muito não deságua no São Francisco. No Sertão de Pernambuco, onde a seca assola nos últimos anos como há muito não castigava, os moradores que vivem ao longo do percurso do rio se adaptaram a viver, desde cedo, com a falta d’água. Mesmo acostumados com um vazio que é preenchido de tempos em tempos, eles buscaram uma saída para fazer do Pajeú perene: escolheram a poesia, a fim de manter o rio sempre vivo.

Foi com intuito de conhecer e registrar essa relação que Inácio França, Alexandre Ramos, Cida Pedrosa e Tuca Siqueira se embrenharam pelos 17 municípios da região para contar as histórias dos poetas chamados pajeuzeiros. O resultado originou o livro O rio que não passa, que eles lançam nesta quinta à noite, no Gabinete Português de Leitura.

“O Pajeú imprime uma marca muito grande na vida de quem está em volta dele”, conta o jornalista Inácio França, que explica que o livro é um retorno que faz à região. “Quando me formei em jornalismo, em 1990, conheci o Sertão para meu trabalho de conclusão de curso, que falava sobre os cantadores de viola”, relembra.

De certa forma, O rio que não passa também é um reencontro de seus outros autores com o Pajeú. Cida por ser poeta e sertaneja, e pelo fato de já conhecer os versos dos moradores do entorno do Pajeú. Alexandre por ser arquiteto com especialização em gestão de águas e conhecedor da região. “Sempre que participei de discussões sobre o Rio Pajeú, os encontros ou eram precedidos ou finalizados por um poeta, com versos que sempre homenageavam o rio”, conta. (JC Online)

 

Deixar um Comentário