Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Tuparetama: julgamento de gestão previdenciária de Sávio criou tensão e quase guerra

Publicado em Notícias por em 6 de setembro de 2016
Clima foi quente entre militâncias de Deva Pessoa (de vermelho) e de Sávio Torres (amarelo). PM teve que ser chamada para evitar confronto

Clima foi quente entre militâncias de Deva Pessoa (de vermelho) e de Sávio Torres (amarelo). PM teve que ser chamada para evitar confronto. Fotos: Marcelo Patriota

Ex-gestor teve gestão previdenciária reprovada pela casa que disse ter seguido TCE. Advogados dizem que votação foi política

Tuparetama viveu no dia de ontem um julgamento que mais parecia do fim do mundo. Na verdade, estava em jogo o futuro político do prefeito e candidato Sávio Torres, na votação das contas de gestão do Fundo Municipal de Previdência de Tuparetama – FUMPRETU, relativas ao Processo de Auditoria Especial rejeitadas pelo TCE – PE, que recomendava a rejeição.

A votação em meio ao embate eleitoral causou transtorno e tensão  na Sessão Ordinária da Câmara Municipal. O Presidente da Comissão de Orçamento e Finanças, Joel Gomes foi responsável pelo parecer e recomendou a rejeição das contas, usando a mesma argumentação do TCE. “Houve um verdadeiro caos na administração dos Recursos do FUMPRETU, com cheques emitidos sem fundos, descontos nas folhas patronal e funcional sem que os recursos fossem repassados ao Fundo e um Parcelamento em 240 meses”, criticou.

Para reverter o parecer, Sávio precisava de dois terços dos votos da casa. Não teve jeito. Foram cinco votos pelo parecer e quatro contrários. Seguindo o parecer o presidente Tiago Lima, Danilo Augusto, Sávio Pessoa, Joel Gomes e Idalberto Lima. Contra, Tanta Sales, Idelbrando Valdevino, Arlan Markeson e Diógenes Patriota.

14202693_922751114514685_4343604419949498647_n

Foto : Marcelo Patriota

Os advogados de Sávio querem levar o debate à Justiça. “Não houve ofício do TCE remetendo o processo para a Câmara. O atual Presidente dirigiu-se ao órgão em Recife e retirou o processo para análise. Agindo de má-fé, sob orientação do seu grupo político, decidiu colocar em votação sem nenhum respaldo legal”, reclama a defesa de Sávio em nota.

A PM teve que garantir a segurança. Pegando o mote do Impeachment a militância de Sávio acusou os governistas de golpistas.

Deixar um Comentário