Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Dilma e Aécio tentam reconstruir carreira política em Minas Gerais

Publicado em Notícias por em 22 de setembro de 2018

Dilma e Aécio estão confirmados no segundo turno

Do Poder 360

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e o senador Aécio Neves (PSDB) tentam reconstruir suas carreiras políticas nas eleições legislativas de Minas Gerais.

Depois de sofrer processo de impeachment em 2016, a petista é favorita para a disputa mineira pelo Senado. Apesar de ter sido afastada da Presidência da República, seus direitos políticos foram mantidos e ela pode concorrer a cargos eletivos.

Ela tem 29% da intenções de votos pontuados na pesquisa Datafolha do dia 19 de setembro, seguida por Carlos Viana (PHS), com 13%, Rodrigo Pacheco (DEM), com 10%, e Dinis Pinheiro (SD), com 7%, que disputam a 2ª vaga. Em 2018, são eleitos 2 senadores.

Já o tucano adotou uma campanha mais discreta e desistiu da reeleição ao Senado para ser candidato a deputado federal. Aécio não aparece no palanque do candidato a governo do PSDB e seu afilhado político, Antonio Anastasia.

Seu 1º evento de campanha foi em uma fazenda na cidade de mineira de Teófilo Otoni, distante 446 quilômetros da capital Belo Horizonte. Para chegar no local do evento era preciso percorrer 2 quilômetros por uma estrada de terra.

O senador ficou a menos de 3 pontos percentuais dos votos válidos da candidata vencedora Dilma Rousseff no 2º turno das eleições presidenciais de 2014, Aécio pontuou 48,36% contra 51,64% de Dilma. Ele era visto como nome natural do partido para participar do pleito nas eleições para presidente de 2018.

Em maio de 2017, o mineiro foi gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista, dono da JBS, para pagar sua defesa na operação Lava Jato. Depois disso foi afastado da presidência do PSDB e deixou de ser considerado como nome a ser candidato a presidente.

O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin assumiu tanto o comando da legenda como a candidatura tucana a presidente.

Governo do Estado

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), enfrenta dificuldades para se reeleger. O candidato Antonio Anastasia (PSDB) está com 33% das intenções de votos enquanto o petista está com 23%. Os dados são da pesquisa Datafolha do dia 19 de setembro.

O ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda, então filiado ao PSB, tentou ser candidato ao governo mineiro, mas as executivas nacionais do PT e do PSB fizeram 1 acordo que resultou na retirada de sua candidatura e o apoio do PSB ao Pimentel em Minas Gerais.

Pesquisa do Datafolha do dia 22 de agosto, a última que incluía 1 cenário com Lacerda, indicava que ele estava em 3º lugar, com 9% das intenções de voto, atrás de Pimentel, com 20%, e de Anastasia, com 29%.

A negociação entre PT e PSB também passou pela desistência da candidata petista Marília Arraes ao governo de Pernambuco e pelo apoio do PT a reeleição do governador Paulo Câmara (PSB). Por conta disso, o PSB nacional decidiu pela neutralidade nas eleições presidenciais em vez de apoiar o candidato Ciro Gomes (PDT).

Mesmo com a decisão da Executiva Nacional pessebista, Lacerda decidiu por insistir com a candidatura. Ele registrou no TRE-MG (Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais) sua intenção de disputar o governo mineiro e Adalclever Lopes (MDB) como seu vice.

O ex-prefeito da capital mineira desistiu de disputar o pleito e anunciou a desfiliação do PSB. Adalclever entrou no seu lugar na disputa estadual.

O MDB inicialmente faria parte da coligação do PT em Minas Gerais, mas Dilma Rousseff foi contra pelo fato da sigla ter apoiado seu impeachment. Os emedebistas embarcaram na candidatura de Lacerda e assumiram a cabeça de chapa quando ele desistiu da disputa com a Executiva Nacional do PSB.

Deixar um Comentário