Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Cubano vaiado em Fortaleza atende índios com tradução de enfermeira

Publicado em Sem categoria por em 23 de dezembro de 2013

Juan Delgado ao ser hostilizado por colegas brasileiros (à esq.) e ao receber desculpas de Dilma

Juan Delgado ao ser hostilizado por colegas brasileiros (à esq.) e ao receber desculpas de Dilma

Vaiado logo depois de desembarcar no Brasil no final de agosto, o médico cubano Juan Delgado declarou que não entendia a hostilidade, pois ele e os colegas vinham para ocupar lugares onde os médicos locais não queriam ir e que não tirariam o emprego de ninguém.

Quatro meses se passaram desde o incidente e agora Delgado está morando em Zé Doca, pequeno município do Maranhão. De lá, a cada dia vai visitar um dos vários distritos sanitários indígenas espalhados pela região. Ele conta com a ajuda de uma enfermeira que “traduz” os problemas trazidos pelos índios. “É muito interessante trabalhar com a comunidade indígena. A comunicação é complicada, mas as enfermeiras me ajudam”.

Especializado em clínica geral e atuando há 19 anos, ele confessa o que pensou ao passar pelo que o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, chamou de “corredor polonês da xenofobia”: “Eu me senti muito perdido, pois nunca havia passado por algo assim na vida. No meu país, isso não acontece”.

Ao ser questionado se pensou em desistir, ele diz que não: “Naquele momento era uma minoria. Eles me chamaram de escravo, mas não me importei. A escravidão foi abolida em Cuba em 1868, não somos nem temos escravos por lá”. (Uol)

Deixar um Comentário