Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Coluna do Domingão

Publicado em Notícias por em 17 de setembro de 2017

Pajeú deverá de novo ficar sem parlamentar puro sangue

A não ser que algo muito importante aconteça, mais uma vez a região do Pajeú ficará sem nenhum representante na Câmara dos Deputados ou na Assembleia Legislativa. O prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque, já jogou a toalha.

A última esperança era o Prefeito de Afogados da Ingazeira e Presidente da AMUPE, José Patriota, do PSB. Mas, com mais fatores que dificultam do que favorecem, vai mesmo ficar onde está, gerindo Afogados até 2020.

Como disse o empresário Paulo Manú, poucos nomes reuniriam tantas condições para um mandato legislativo no Pajeú. “Só voto se for nele” , chegou a dizer. Vai ter que votar nulo ou branco. Falta suporte político e, consequentemente eleitoral para o gestor.

Vamos aos fatos: em 2014, o último que tentou, Anchieta Patriota, teve 31.253 votos. Para isso, teve apoios bem além de Afogados da Ingazeira e Carnaíba, quando teve 5.906 votos na primeira e 6.398 na segunda. Ou seja, recebeu 18.949 em outras cidades, mas ficou relativamente longe do mandato. Ângelo Ferreira, por exemplo, teve 42.640 votos. Conta vai cota vem, Patriota teria mais votos que o carnaibano em Afogados (fala-se entre 9 e 12 mil) e menos em Carnaíba. Onde acharia mais 25 a 30 mil votos que lhe faltam?

O fato é que, focado na eleição, Patriota foi vendo a região sendo”loteada” em 2016 por nomes como Nilton Mota, Diogo Morais, só para dar dois exemplos. Cabe também a crítica aos prefeitos socialistas no Pajeú: por pragmatismo, visão eleitoreira, falta de unidade e sentimento coletivo, à exceção do carnaibano, não moveram um dedo para apontar a possibilidade de um nome unir a região em um projeto que retomaria pelo menos uma cadeira – já tivemos três – para o Pajeú.

Assim, as esperanças residem em algo na mini reforma eleitoral que melhore chances e não atrapalhe ainda mais ou uma convocação do núcleo socialista arrumando espaços para que a candidatura saia do papel. Com o quadro embolando por conta da saída de FBC do bloco, não há tempo sequer para pensar nisso. Assim, entre o ser e o não ser, Patriota muito dificilmente sai candidato.

Ainda contam contam a favor de que tudo fique como está o risco político de uma desincompatibilização e a outra pressão: de Paulo Zilkosky para que seja candidato da entidade à presidência da CNM.

Voltou a azedar

O clima entre Luciano Duque e Sebastião Oliveira azedou de novo depois que o prefeito desafiou a provar quem fez mais por Serra Talhada, se ele ou o governo Paulo Câmara. Sebastião Oliveira tomou as dores e disse aceitar o desafio, ainda cutucando a gestão.

Novo mote

O apoio pífio da gestão Sebastião Dias para  Missa do Poeta denunciado pelo blog foi corroborado por nomes da APPTA. Mas da Diretoria, em vez de reforço, houve críticas à publicação pelo apoio à gestão. Ou seja, a luta por mais investimentos para cultura foi deixada de lado por quem deveria reforcá-la. E pra Dias, sobrou o mote: a torneira da cultura foi fechada/pela mão que usa os dedos pra cultura.

Ponte com cinta

O engenheiro que projetou a ponte estreita sobre o canal da Transposição na rodovia Maximiano Campos, antes de Rio da Barra, Sertânia, no sentido BR 232 foi, digamos, “homenageado” por um pichador local.

Esculhambação a parte, só economia desnecessária, sabe-se lá porque, ou falta de planejamento justificam a barbeiragem.

Falando em rodovia

A PE 275 está em situação caótica. De tantos buracos, é possível ver carros no acostamento com pneus rasgados e outras avarias. É a pior estrada no eixo Pajeú-Moxotó. Cabe um recapeamento total. Tapa buraco não resolve.

Oficializou

Esta semana nas redes sociais o jornalista Magno Martins oficializou a separação com a vereadora Aline Mariano. Segundo Magno, o anúncio era necessário por se tratarem de duas pessoas públicas. Boa vida nova aos dois.

Que nível

Raul Henry já tinha fugido do costumeiro trato fino quando chamou Orlando Tolentino, de Petrolina, de “cupincha” de FBC. Orlando, espécie de “pau pra toda obra” do Senador, assessor de seu filho em Petrolina, desceu ainda mais o nível: “sou fiel (a Bezerra Coelho), mas não sou amante”. Que lindo…

Frase da semana:

“Garotinho tentou fazer o programa hoje, mas a voz foi embora”. Do radialista Cristiano Santos, da rádio Tupi, mentindo enquanto Garotinho era preso. Tinha o furo do ano na mão. Virou piada.

Deixar um Comentário