Lembre-se de mim
Registre-se Esqueceu sua senha?

Coluna do Domingão

Publicado em Notícias por em 22 de setembro de 2019

Bolsonaro precisa de Fernando Bezerra Coelho

Quando Bolsonaro escolheu Fenando Bezerra Coelho, para Líder no Senado, já eram conhecidas as investigações e suspeitas levantadas contra o Senador.  Antes da operação desta semana,  Bezerra já era alvo de três inquéritos que correm na primeira instância judicial — um da Lava Jato e dois desdobramentos da operação.

De todas as investigações, só uma até agora não deu em nada: em dezembro de 2018, a Segunda Turma do Supremo rejeitou, por apertados 3 votos a 2, uma denúncia contra Bezerra Coelho na Lava Jato. O senador foi acusado de pedir e receber propina de R$ 41,5 milhões entre 2010 e 2011 das construtoras Queiroz Galvão, OAS e Camargo Corrêa. Na época, ele era secretário no governo de Eduardo Campos. Bezerra nega as irregularidades. Mas as outras denúncias seguem.

Se você deixa de lado as investigações, no campo político, Bolsonaro também sabia que Fernando  é um camaleão, se pintando ao sabor dos ventos e do tempo. Poucas vezes na história republicana se viu o Senador em águas turbulentas. Foi aliado de todos os presidentes recentes. Esteve com Lula, foi Ministro de Dilma e depois ajudou a sepultá-la no Impeachment. Dias depois, o filho Fernando já estava Ministro no governo Temer. Com todo esse currículo na contramão do perfil que queria o Capitão, foi confirmado em 19 de fevereiro como seu líder.

Se o fez engolindo em tese alguns sapos por conta do seu discurso vencedor nas eleições, é porque sabia que só alguém com o perfil de FBC poderia desatar os nós que teria que desatar. A base de Bolsonaro no Senado tem nomes alinhados com seu modus operanti, mas muitos verdes, sem conhecer os caminhos que Bezerra Coelho conhece. O próprio Davi Alcolumbre e mesmo o Major Olímpio não tem de longe a desenvoltura de Fernando para destravar a agenda. Tem pautas delicadas em  discussão na Casa como a Reforma da Previdência e a aprovação de seu filho Flávio para a embaixada americana, que virou ponto de honra dele.

Assim, Bolsonaro tem uma encruzilhada  pela frente: engole mais um sapo e mantém Fernando na liderança, enfraquecendo o Ministro Sérgio Moro, ou segue o discurso de que quem se lambuzou tá fora e corre contra o tempo para achar outro nome que conheça os corredores do Senado como Fernando. É mel ou cabaça…

Quem não aguentar…

Três dias antes da busca na casa de FBC, o Presidente do PSL de Afogados da Ingazeira Toninho Valadares comemorava as parcerias com o Senador em um grupo de WhattsApp avisando: “quem não aguentar costure as pregas”. Anunciava uma reunião em Brasília para tratar do curso de Engenharia do IFPE, mais R$ 5 mi em emendas, que Toninho chamou no grupo de “baletas“. À coluna, Toninho disse que era “uma brincadeira em grupo privado” e colocou a culpa em Emídio Vasconcelos, do PT, ao jogar o áudio  no mundo.

Cabo de guerra por Doido

Em São José do Egito, José Marcos de Lima afirmou que Evandro Valadares “comprou” Doido de Zé Vicente, mas deixou nas entrelinhas que se Doido criar juízo, politicamente falando, está de braços abertos para recebê-lo de volta na base de oposição. Nisso, Evandro retrucou: “Doido não se compra, Doido se conquista”…

No batente de casa

Esqueçam nome de prefeito em spot institucional ou alô pra “meu prefeito” em festa paga com dinheiro público. O cúmulo da quebra do princípio da impessoalidade foi revelado por Delson Lustosa em entrevista a Anchieta Santos. Na cidade, ele passava em média por mês oito dias atendendo em casa, sem pisar na prefeitura. Dizem que é uma tradição no município gestor passar esse tempo sem cruzar batente de prefeitura. Que lindo.

Nego!

Daniel Valadares, vereador e filho do ex-prefeito Totonho Valadares informa à Coluna que não haverá nem foi cogitado seu ato de filiação ao MDB na quinta que vem. Antes, chegou ao blog que até a Câmara de Afogados estava reservada e convites estavam sendo feito. Ele nega. “Nego também que o ex-prefeito tenha rompido com o prefeito Patriota. Seu nome continua posto como pré candidato da frente popular de Afogados da Ingazeira”, garante. Antes da nota, disse que Totonho teria ligado para o jornalista Magno Martins ao lado de Patriota para refazer a informação. Então, tá.

Prometeu não leu…

A Secretária de Infraestrutura Fernandha Batista fez duas promessas na Rádio Pajeú pelas quais será monitorada e cobrada se não cumprir: uma, da vinda de equipes do Caminhos de Pernambuco tapar os buracos da PE 320, principalmente entre Afogados e São José do Egito. outra, de que até dezembro o Aeroporto de Serra Talhada alcançará a certificação para receber operações comerciais da Azul entre Recife e a Capital do Xaxado. Tic tac, tic tac, tic tac… 

Radialista saindo

Em Serra Talhada, o radialista Anderson Tennens está deixando a coordenação da Cultura FM. Só fica até o fim desse mês. Em linhas gerais, sem dar mais detalhes, afirma que depois da morte de Argemiro Pereira, não me sentiu mais a vontade para continuar como coordenador da emissora. Tennens deixou o prefixo em primeiro lugar de acordo com pesquisa recente do Instituto Múltipla. Em se confirmando, uma pena.

Sessenta!

Dia 4 de outubro no Cine São José acontece o primeiro evento pelos 60 anos da Rádio Pajeú, com Monsenhor Assis Rocha, importante nome da comunicação na região, dentre os convidados e show de Flávio Leandro. Uma segunda data ainda a ser anunciada terá um show em palco armado ao lado da emissora com um nome que marcou a Era de Ouro do Rádio, a ser confirmado.

Frase da semana: “Não sei se ele quer entendimento”. De José Patriota, sobre a movimentação do ex-prefeito Totonho Valadares junto a FBC.

Deixar um Comentário